Boca a BocaNoticias

Democracias ameças na América Latina

O debate sobre conjuntura política da América Latina foi proposto por feministas de Brasil, Paraguai e Argentina, respectivamente Carmen Silva, Clyde Soto e Ana Falú, para analisar os retrocessos políticos na América latina, a regressão de direitos, o avanço do capitalismo extrativista e o crescimento da onda fundamentalista.

Esta situação agrava muito as condições de vida das mulheres, além de criminalizar suas lutas e de outros movimentos sociais.

As mulheres são constantemente mais empobrecidas, em especial as negras e indígenas, vivendo sob aprofundamento das violências políticas sexuais e da violação de nossos corpos. Exemplos do México, Guatemala, Honduras, Nicarágua, entre outros, demonstraram como esta análise está sendo feita pelo movimento feminista em todo o continente. Muitos desafios estão colocados para nosso movimento, mas o principal é seguir lutando para manter as conquistas históricas do movimento social, territorialização das lutas, e seguir nessa resistência de maneira articuladas na América Latina e Caribe.

“Em todos os países latinos se repete o mesmo padrão, e isso tem um sentido que importa para as feministas. A perda de direitos que estamos sofrendo significa que os Estados estão à serviço da dominação e não podem ter cidadãs e cidadãos que se sintam plenas e plenos dos seus direitos. Isso implica em que as pessoas não podem se apropriar nem dos seus corpos, nem dos seus destinos. Nós feministas não nos contentamos com um sistema assim, por isso temos que lutar contra ele.”

Feminismos frente a las democracias amenazadas. Debatimos en e…

"Feminismos en contexto de golpes y democracias amenazadas en América Latina". ¿Cómo nos afectan estos contextos regresivos a las feministas? ¿Qué respuestas existen y cuáles debemos gestar para superar las limitaciones y amenazas? Carmen Silva, Clyde Soto Badaui y Ana Falu, en un debate convocado por la Articulación Feminista Marcosur – AFM y sus integrantes Articulação de Mulheres Brasileiras, Cfemea Feminista, Sos Corpo, Centro de Documentación y Estudios (CDE) y CICSA. Desde el 14º EFLAC Uruguay – Encuentro Feminista Latinoamericano y del Caribe.

Posted by Comunicación Feminista desde Paraguay on Thursday, November 23, 2017

Link para assistir o debate na íntegra: https://goo.gl/vcp2pW